quinta-feira, 24 de agosto de 2017

"Desmandos em série"

Mais uma vez, devo fazer minhas, as palavras do jornalista, caríssimo e raríssimo "escrevedor", como ele mesmo diz, o senhor Paulo Jacon. 
Que afronta! Que desrespeito com o Distrito de Alfredo Guedes e com todo o rol de homens extremamente sérios e comprometidos com a ética, que por aqui passaram, ao longo de todos esses anos. Homens de conduta ilibada e honra, homens de seriedade dispensada em cada atitude nos destinos administrativos do distrito. Homens que entregaram-se de corpo e alma na função de coordenadores locais. Homens, indubitavelmente, de bem. Homens de mãos absolutamente limpas. Dignos de todo o nosso orgulho!
E diga-se de passagem, nem diretores eles foram; ao contrário, o que os guiou sempre foi muito mais do que a gratificação, o sentimento altruísta e o sentimento de amor pelo nosso pequeno relicário de poesias e memórias; histórias e pessoas; famílias e tradição.
Relicário este, que me parece, nuca esteve tão ameaçado de extinção.
Uma pena! Lamentável mesmo, tanto desconhecimento da população apoiando uma ideia destrutiva.
Os engajados com o projeto de pavimentação asfáltica, reformas sem orientação de restauro, e a consequente dilapidação desse relicário, apoiam-se num grande engodo: chamam de democrática uma atitude puramente populista! Sim, pois democracia seria implantar educação patrimonial no distrito, oferecendo as mesmas oportunidades de conhecimento, amadurecimento da consciência crítica e juízo de valor, ao povo guedense. Mas há que se ter coragem!

                                                                                           guardiadelendas.blogspot.com
                                                                                           Célia Motta



E Assim Caminha Nosso Reino

Recebi hoje de um de meus caros e raros leitores uma cópia da sentença de um processo penal condenando um ex-presidente da câmara, um ex-assessor parlamentar e um ex-vereador. A sentença é de janeiro de 2015 e o acordão de julho de 2015. Foram condenados por desvio de dinheiro público para uso pessoal.
Em janeiro de 2017 nosso rei, recém empossado, nomeou um deles para a diretoria de Apoio e Motomecanização, que trabalha talvez com uma das maiores verbas entre as diretorias e outro para uma diretoria, especialmente criada por esse reinado, chamada: Vila de Alfredo Guedes e Áreas Rurais.
No mínimo um deboche para com os munícipes.
Mas o pior de tudo é que em 8 meses de governo ainda não vi uma única ação do governo local que eu pudesse dizer que seja positiva. Ou pelo menos que a direção tomada esteja na direção correta.
Apenas ações que podemos chamar de “engana trouxa”, vide o "feirão do emprego" .
E muito marketing.....que é o que menos precisamos nessa época de crise aguda em nosso país.
E agora mais uma noticia ruim vindo do Diretor de Obras, que não tem nada a ver com as decisões do “prefeito” de Alfredo Guedes, apenas verificar a possibilidade de obras solicitadas. Ele disse sobre a canalização das aguas nas ruas do bairro : “ ........os moradores observarão que o volume das aguas diminuirá consideravelmente em dias de fortes chuvas. Esse é o objetivo da obra, além de deixar as ruas de paralelepípedos preparadas para eventual troca de pavimento.”
Ora, para bom entendedor a decisão já está tomada.  Contra os principios de manutenção de uma grandeza histórica que perderemos para sempre. Tudo porque, na cabeça dos atuais administradores do reino, que não tem ou não sabem o que fazer, ficam pensando besteiras.
Dai-nos força para chegarmos em 2020 apenas com algumas ruinas, que talvez possamos recuperar depois do furacão que elegemos nas últimas eleições.
Boa sorte meus amigos de Alfredo Guedes. Nos desculpe pela eleição do novo rei!!!" 


                                                                                                                                  Paulo Jacon




Bom, diante de tudo isso, me parece que precisaremos de algo mais do que sorte.
Aproveito para compartilhar um artigo, de um ambientalista que eu muito respeito: o senhor Celso Jacon.
Celso ressalta a importante função ecológica das pedras de paralelepípedos, além do óbvio e indiscutível valor histórico e cultural.
                                                                                                       guardiadelendas.blogspot.com
                                                                                                       Célia Motta.  


Tomei conhecimento do assunto: onde se trocariam os pisos de
"Paralelepípedos", no distrito Alfredo Guedes, por pavimento
asfáltico; fiquei pasmado com tal proposta, vou enumerar alguns
fatores principais, os quais vem a ser importante realçar; pois
nossos administradores (imaturos) , talvez desconheçam tais fenômenos;
pois a região em questão tem características próprias para se tornar
uma estância sustentável, turística, enfim: uma jóia nas questões
sustentáveis ambientais, agricultura familiar,etc....................
se tivermos pessoas competentes no governo.

1) Os pavimentos asfálticos impossibilitam as "infiltrações de água",
recarga dos lençóis freáticos, assim promovendo as inundações, coisa
que estamos nos acostumando com os transtornos.

2) Certamente essa atitude do asfaltamento descaracterizará o Bairro,
pois sendo patrimônio histórico, devererão ser conservados suas
tradições passadas.

3) Em termos econômicos, e na atual crise que vivenciamos, penso
existirem outras prioridades, ao invés de se refazer obras já feitas,
existem cidades na Europa trocando os pisos de asfalto por
"Paralelepípedos"

Fui o fundador da primeira ONG (proteção ambiental) deste
município, e denunciei o drama de nosso Rio Lençóis há mais de vinte
anos, coisa que se autoridades tivessem me ouvido, não teríamos
passado pelos desastres das últimas enchentes.
Participei por anos dos CBHTJ, comitês de Bacias Hidrográficas. Enfim: sou um
ambientalista de verdade, e não um oportunista incompetente, estes que
estão levando nossos recursos naturais ao caos."  
                                                                                                                           Celso Eduardo Jacon







3 comentários:

  1. Ontem, devido a uma folga no trabalho causada pela quantidade de horas no banco, realizei um sonho de há muito tempo, que foi uma caminhada até Alfredo Guedes. Fui pelos trilhos e voltei pela estrada de terra, ótimo passeio, que gosto muito de fazer, caminhar pelas estradas, é pena que pouco verde se veja, fora os canaviais. Já fazia mais uns 2 meses que não ia até lá e estava na espectativa de ver o inicio das obras de "canalização das águas da chuva" e como está a reforma, digo restauração da estação ferroviária, não esperava muita coisa já que depois dos tijolinhos de concreto na plataforma não dava realmente pra esperar muito.Mas quando cheguei, já de longe as pernas bambearam e os olhos não acreditaram o que estava vendo e pude comprovar mais de perto: um "barrado cinza" feito com uma mistura de cal e corante xadrez preto que não me lembro de ter visto quando frequentava a estação, nos anos 70. Todo aquele trabalho de reboco imitando pedra, que era feito nas estações dessa época e que vemos em paranhos também, foi encoberto com essa "tinta" que é a coisa mas vagabunda que se pode fazer e o mesmo foi feito no armazém, mas sem o corante. E isso foi passado até no calçamento, acreditem, ridículo, mas aposto que muitos gostaram, coitados. Na volta, alcancei um senhor que disse morar ha mais de 60 anos e estava reclamando do esquecimento, pelas autoridades, nesse dia, (31/07/2017) estavam sem energia desde a manhã e já era mais de 10 horas, devido aos bambuzais que existem perto da ponte que provocaram queda e um incêndio nesse mesmo bambuzal a uns dias atras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Necessário que nos envolvamos intensamente com a preservação. Necessário também, que envolvamos os lençoenses nesse processo de recuperação da história.

      Excluir