quarta-feira, 22 de novembro de 2017

"O Xerife de Alfredo Guedes"



Por várias vezes faço aqui a reprodução fiel dos textos do jornalista Paulo Jacon. Hoje, será mais uma de tantas outras vezes que farei isso. "Raro e caro escrevedor", Paulo tem emprestado todo o seu talento de jornalista e a sua veia de futuro advogado para exprimir o seu apoio ao Distrito de Alfredo Guedes. Inconformado como eu, intelectualmente aliado ao pensamento dos nossos amigos historiadores (e aqui faço uma menção especial ao pesquisador Eduardo Ayres Delamonica, pela solidariedade à nossa causa, tão delicada), também como eu vem divulgando ao longo do tempo, o ponto de vista das poucas famílias tradicionais de nossa terra guardiã. Temos senso de realidade e estamos antenados com a dificuldade dos caminhos percorridos. Sabemos que não seremos ouvidos e atendidos em nossas reivindicações e preocupações com a história local. História esta, que também é a história de nossa Lençóis Paulista. Estamos cientes de que em qualquer parte desta nossa estranha Nação, será sempre muito menos comprometedor, tomar atitudes de acordo com a vontade popular (mesmo quando há sérios indícios de que a escolha é imatura, desastrosa e equivocada por ignorar o assunto!) do que investir em ampliação de conhecimentos e abrir o assunto para uma discussão realmente consistente e realista. Em resumo, o que importa é a seguinte reflexão: se todos tiverem espírito crítico e questionador... como ficarão as eleições? É a maldita bola de neve que vem rolando no país inteiro.
No entanto, estamos absolutamente cientes de que preferimos perder, porém em pé! E não queríamos mesmo estar do lado daqueles que aparentemente saíram ganhando com as últimas decisões. Não mesmo.
O motivo?
Simples: os mesmos que estão aplaudindo o descalabro realizado com a história local hoje, são os mesmíssimos que lamentarão, em breve, pelas perdas (irreparáveis!) da nossa memória. Sucederá o que estamos cansados de perceber, em comentários de tantos e tantos "alfredoguedenses", sobre a descaracterização da praça, a derrubada das árvores, a bestialidade cometida contra a família Bosi, modificando o nome de nossa tradicional escola. Sucederá a mesma repulsa que norteia o peito de cada estudante que passou pela Escola Estadual de Primeiro Grau Cecília Marins Bosi, ao saber do criminoso desvio de seu nobre mobiliário de época.
Eu, tenho saudades de todos aqueles homens de bem que passaram pela administração de nosso precioso Distrito. Tenho saudade do tempo de cada um deles. Tenho saudade do caráter que se disponibilizava ao trabalho com afinco, pelo prazer de dar de si próprio, independente da "criação" de uma Diretoria para tanto. E mais, lamento pela falta insuperável de Nilceu Bernardo à frente da programação cultural de Alfredo Guedes. Sinto falta daquele homem em mangas dobradas, da camisa suada, com dores nos braços, para poder colocar com as próprias mãos, todos os objetos de nosso acervo do Memorial, para inaugurá-lo com glória! Memorial que agora mantém as portas fechadas, represando a surreal fala do resgate. Sinto falta dos desfiles de bandas, vibrando pelas ruas, retumbando todo o nosso potencial, agora emudecido. Lastimável. Mas estaremos aqui, em pé, mergulhados em dores profundas e em tristes lamentos.
Entretanto, estaremos inteiros. Sem a deturpação ou perda de nenhuma partícula de nós. Sem nenhuma trava em nossas vozes. Sem correntes nos pés. Com as mãos livres para registrar o triste legado, seja ele qual for. O detentor do legado de sepultamento tão cruel, irreversível e prejudicial ao celeiro de histórias, carregará o fardo da responsabilidade. Será a devida colheita do plantio. Será o levante que segue a passagem da morte...

Muito obrigada, Paulo Jacon, caríssimo e raríssimo!

guardiadelendas.blogspot.com
Célia Motta


O XERIFE DE A.GUEDES

Depois de ouvir atentamente os discursos dos vereadores Bibaia e Dudu na última segunda feira, e ainda ouvir relatos de pessoas muito confiáveis, vou contar o que eu sei sobre o xerife do bairro.
Logo após as eleições o nosso reizinho me jurou de “pés juntos” que não o nomearia para nenhum cargo em seu governo, porque queria dormir com a consciência tranquila. Não entendi e nem perguntei as razões daquilo.
Mas, depois, talvez por ordens expressas do primeiro ministro, ele foi nomeado “xerife” do bairro , provavelmente para compensar a perda do salario de vereador. 
Pois esse senhor agrediu e ofendeu, assim como foi agredido e ofendido por um antigo morador do bairro na semana passada.
Cortou uma grande arvore da creche de lá retirando totalmente a sombra de proteção das crianças, quando na verdade o que tinha sido pedido era uma simples “poda” da mesma. Dizem que ele está proibido de entrar nas escolas da rede pública por ordem da diretora de educação, e isso não pude confirmar.
Expulsou o professor de Educação Física e seus alunos do campo de futebol aos gritos estridentes, para que todos ouvissem, pois não quer que usem o campo para preservá-lo para o campeonato amador. Embora seja um estádio público.
Recebeu arquitetas de restauro e o deputado Tidei de Lima que também é engenheiro e foi duramente criticado pelas besteiras que já fez naquele bairro , principalmente nas reformas da estação de trem. Recebeu inclusive uma lição de como replantar árvores ao redor do bairro para filtrar a poeira que vem do campo. Pior , não abriu o Memorial para que as restauradoras se inteirassem da história do bairro.
Enfim, nossa majestade não ouviu sua própria consciência e nomeou um charlatão para cuidar de um dos nossos principais Patrimonios Histórico. E, por coincidência, fomos recentemente nomeado município de importância turística, graças aos esforços da administração anterior, é claro!!!

Jornalista e Escrevedor


                    "NAQUELES DIAS"

...E NAQUELES DIAS DOURADOS DE SOL, FALANDO E ESCUTANDO A MINHA PEQUENA MASCOTE CHAMADA KELI, EU IMAGINAVA ESTAREM SEGUROS OS TESOUROS DA ANTIGA PRAÇA, DA ANTIGA ESCOLA, DAS RUAS DE PARALELEPÍPEDOS, DA MAJESTOSA ESTAÇÃO DE TREM, DA DOÇURA DAS CASINHAS DOS FEITORES E A FRAGILIDADE DA CERCA DE MADEIRA DA CASA DE SONHOS DE MEU AVÔ E PADRINHO JOSÉ LOURENÇO... NAQUELES DIAS, OS POSTES QUE SE ERGUIAM FRENTE À IGREJA DO BOM JESUS E SUAS LUMINÁRIAS ME DAVAM A CERTEZA DE QUE O REDUTO DE LENDAS NÃO SERIA JAMAIS DETURPADO, POR MÃOS DE MOVIMENTOS DUVIDOSOS...
AH... NAQUELES DIAS... NAQUELES TEMPOS... AQUELES MÁGICOS ESPAÇOS... HOJE, TUDO TÃO DEGRADADO E DESVALORIZADO POR VIL FORASTEIRO.
AH... FALE MEMÓRIA... FALE E NÃO EMUDEÇA, AINDA QUE ENTRISTEÇA! FALE!
FALE PELOS QUE SE FORAM, PELOS QUE JÁ REGRESSARAM AO NOSSO SEIO, PELA DONA CARMINHA, POR CECÍLIA MARINS BOSI, POR GINO BOSI, PELO DR. ALFREDO GUEDES, POR MARIA FRANCISCA, PELOS SEUS ANTEPASSADOS, PELOS DESCENDENTES QUE AINDA CHEGARÃO E POR TODAS AS ENERGIAS QUE CIRCUNDAM, O AINDA NOSSO (E DELES!) LUGAR...
FALE PELO SANGUE DAS LENDAS, PELOS SUORES VERTIDOS DE SEU CORONEL... FALE...
FALE PELAS LÁGRIMAS DOS FERROVIÁRIOS, PELAS ALMAS DOS CHEFES DA ESTAÇÃO, PELOS APITOS IMORTAIS QUE AINDA NOS ASSOMBRAM E VELAM OS NOSSOS DIVAGARES E VIAGENS... FALE!
FALE PELO SEU PAI, AINDA E DESDE SEMPRE CONOSCO... POR ELE, FALE.
PELOS ECOS DOS ANTIGOS FAZENDEIROS EM SEUS CAFEZAIS DE CORES VIVAS, PELO ESTRIDENTE SOM DAS MÁQUINAS DE BENEFICIAMENTO DE GRÃOS, PELO RESSOAR DOS PASSOS INVISÍVEIS E PRESENTES EM NOSSA IGREJA DE SÃO BENEDITO, PELAS ANTIGAS PRECES DOS PADRES EM NOSSAS PROCISSÕES QUE AINDA ESTÃO A PASSAR, PELOS RITUAIS DE COMUNHÃO, PELAS MESMAS ÁGUAS QUE SEMPRE RETORNARAM AO NOSSO FÉRTIL CHÃO DE SONHOS, EM MEMÓRIA DA PRIMEIRA FESTA DOS PADROEIROS E SUA TRADIÇÃO CONCEBIDA POR ZEFERINO RIBEIRO. AINDA QUE PEREÇA, FALE POR GRATIDÃO À FORÇA AQUI DEIXADA, À LUZ AQUI GERADA POR TODAS AS ASCENDÊNCIAS QUE AQUI NOS PRECEDERAM, PELA FAMÍLIA MALUF E SUAS AFLIÇÕES PASSADAS, POR MIGUEL E SALIM, POR SANTO BORANELI, POR ROMANHOLI, POR SILVIO BOSO E SUA IMORTAL ALEGRIA E FESTA INTERIOR, POR NOSSAS POESIAS QUE HÃO DE FICAR.
HÃO DE FICAR, AINDA QUE SOLITÁRIAS... HÃO DE FICAR. FALE.
FALE PELAS LIÇÕES DO VELHO MOTTA, PELA EXUBERÂNCIA DA JUVENTUDE DE SUA MÃE E SUAS TIAS, PELOS GRITOS E ALGAZARRAS NO TÚNEL DO CATETO, PELA ANTIGA PONTE DO RIO LENÇÓIS. PELO ENCANTAMENTO DAS MOÇAS DA FAMÍLIA HELENE AO PIANO, PELO SEU MÍTICO DESCENDENTE, ZÉ RUBENS HELENE. PELOS ANTIGOS CIRCOS, PELOS BAILES PERFUMADOS ONDE ALGUNS AINDA DANÇAM EM VULTOS MISTERIOSOS, PELO PERFUME DISPERSO DE EDITHE, QUANDO ESTÁ A OLHAR-SE NO VELHO, MUITO VELHO ESPELHO OVAL. PELO ARMAZÉM DO BRONZATO, POR ANALICE E DITO LIMA PELO TÉIA E PELO TONICO DO BAR, PELO VIGOR DA PRESENÇA DE JOSÉ DOMINGUES E SEUS POSICIONAMENTOS, PELA FAMÍLIA ESGUÍCERO, POR LAURA A CUIDAR INCESSANTEMENTE DE SEU VELHO MANACÁ, PELOS ROSÁRIOS DE LÍDIA, PELOS ANTIGOS RITUAIS DE BRUXARIA DA BOA VISTA, PELO BARRO MOLDADO NA ANTIGA OLARIA, PELO ETERNO RECOMEÇAR, PELO VERBO ACREDITAR. FALE.
FALE!
                                                                                                    guardiadelendas.blogspot.com
                                                                                                     Célia Motta.
                                         

Nenhum comentário:

Postar um comentário